Parlamentares estimulam vacinação e combate à Covid-19 em suas redes sociais

Após forte lobby de empresários, Congresso já discute alterar lei que previa doações ao SUS NEIL HALL/EFE/EPA - 22.02.2021

A atual legislatura da Câmara de Osasco foi iniciada em meio a uma das maiores crises pandêmicas da história. Em janeiro de 2021, quando ainda não havia vacinas e os casos de Covid-19 provocavam a morte de milhares de pessoas no mundo, o parlamentares eleitos e reeleitos enfrentaram os impactos da pandemia, que afetavam diretamente a sociedade, inclusive com o aumento do desemprego.

Agora, no início de 2022, segundo ano do mandato, com a vacinação no município em estágio avançado, incluindo a imunização das crianças com idades entre 5 e 11 anos, os parlamentares — que estão em Recesso Parlamentar — movimentam suas redes sociais para incentivar a vacinação, entre outras ações que visam o combate a Covid-19.

A maioria dos vereadores usa seus perfis para estimular a vacinação, inclusive de crianças, através da divulgação dos locais de vacinação, orientações para uso adequado de máscaras, cuidados que a população deve ter com a saúde. Além das redes sociais, os vereadores, desde 2021, são ativos na apresentação de Projetos de Lei e indicações que visam o combate à Covid-19.

Juliana da Ativoz (PSOL) apresentou um projeto que sugeriu o fornecimento obrigatório de máscaras por estabelecimentos públicos e privados para seus funcionários e colaboradores. A vereadora também propôs o empréstimo de oxímetros para pacientes com Covid-19 e a apresentação de passaporte sanitário para acessar estabelecimentos como academias, clubes, cinemas, teatros, restaurantes, entre outros.

Josias da Juco (PSD) solicitou ao Executivo, à época do início da vacinação, a criação do Sistema de Transparência para Vacinação Contra Covid-19 e a implantação de um serviço de atendimento psicológico, através da central 156, para pessoas infectadas ou que perderam entes queridos.

Paulo Júnior (PP), sugeriu a criação de um Centro de Reabilitação para tratamento de sequelas pós-Covid-19.

Michel Figueredo (Patriota) indicou a possibilidade de contratação de fonoaudiólogo para atuar com pessoas que tiveram Covid-19.

Quando o período de isolamento e as restrições de circulação ficaram mais rigorosos, Délbio Teruel (DEM) sugeriu a criação de um cadastro para identificar as pessoas que descumpriam as regras. À época, o parlamentar afirmou que não era justo não aplicar sanções para quem descumpria as regulamentações. “Não é justo que quem cumpre isolamento seja tratado da mesma forma que alguém que desrespeita o distanciamento e transmite o vírus de foram proposital”, afirmou o vereador.

No início da vacinação, os parlamentares começaram a solicitar para o Executivo que desse prioridade às pessoas com comorbidades e aos grupos que atuavam diretamente com o público, incluindo os transportadores escolares, já que a previsão à época era de retorno presencial às atividades.

Projetos enviados pelo Executivo foram votados com prioridade, a exemplo do que concede auxílio para alimentação às famílias em vulnerabilidade, com crianças e adolescentes em idade escolar.

Para o Presidente da Câmara, Ribamar Silva (PSD), o Legislativo, desempenha um papel importantíssimo na luta contra o Covid-19. “É o Executivo quem coloca as ações em práticas, mas é aqui no Legislativo que se autoriza o uso de verbas para o combate à doença, que se vota os projetos, os direcionamentos de política pública que visam o benefício da população. Essa legislatura tem mostrado empatia e empenho para que possamos superar essa pandemia juntos e da melhor forma possível”, comentou Ribamar.

Fonte: osasco.sp.leg.br