Presidente da República sobre recorde de mortes por Covid-19 “E daí? lamento! Quer que eu faça o quê?”

De forma indelicada, ao ser questionado na manhã desta terça-feira (28) sobre o recorde de mortes por Coronavírus no Brasil, Bolsonaro expõe o seu pior lado: A insensibilidade.

Apesar de ter arrancado risos dos apoiadores, sobretudo quando realizou um trocadilho ao garantir que Messias é apenas no nome “Eu sou Messias, mas não faço milagres!”, Bolsonaro demonstra não apenas desconhecer os preceitos básicos de uma boa educação, mas sobretudo expõe desinteresse nos números alarmantes que a epidemia do novo Coronavírus vem registrando em nosso país.

Nesta terça-feira, o Ministério da Saúde anunciou que subiu para 5.017 o número total de mortes provocadas pela doença no país, 474 delas registradas nas últimas 24 horas. Com os dados atualizados, o Brasil ultrapassou a China, que registra oficialmente 4.643 mortes por conta da covid-19. No total, o Brasil já registrou 71.886 casos oficiais no país, segundo os dados mais recentes do Ministério, com 5.385 novos diagnósticos de ontem para hoje. Segundo a pasta, ao menos 34.325 pacientes estão em acompanhamento e mais de 32.544 já se recuperaram. 1.156 óbitos seguem em investigação.

Na ocasião, Bolsonaro também foi questionado por um dos repórteres presentes sobre a ação do jornal ‘Estado de São Paulo’, que ganhou o direito de acessar informações a respeito de sua saúde. Vale lembrar que o presidente sempre negou que o seus últimos testes para verificação de contágio pelo Covid-19, tenham dado positivo, chegando a declarar que sua palavra vale mais que o registro em um papel.

Daqui a pouco vão querer saber se eu sou virgem ou não. Dá positivo ou não? Se nós dois [presidente e o repórter] estivermos com Aids, a lei nos garante o anonimato. Da minha parte, não tem problema nenhum em mostrar, mas quero ter o direito de não mostrar“, afirmou.

Segundo o Palácio do Planalto, a AGU, Advocacia Geral da União, irá recorrer da decisão que garantiu o acesso do jornal aos exames do chefe do Poder Executivo.

Fonte: Com informações do portal uol.com.br