Ibovespa cai mais de 1% em meio a notícias sobre o coronavírus; Dólar vira para queda com dados dos EUA

O Ibovespa registra queda nesta sexta-feira (21) seguindo o desempenho das bolsas internacionais após a Coreia do Sul ter informado o diagnóstico de mais de 200 casos do coronavírus no país. Nesta manhã, o primeiro caso da doença foi confirmado em Israel, de acordo com informações da agência de notícias AFP. Na China, o governo relevou que o surto se espalhou para cinco penitenciárias, duas na província de Hubei.

A principal queda dentre as ações que compõem o principal índice da B3 é a dos papéis da Vale (VALE3). Apesar dos números da mineradora não terem sido negativos, o aumento nas provisões por conta da tragédia de Brumadinho e o relatório confidencial que mostrou que a companhia sabia dos riscos e não adotou as medidas necessárias para remediar as fragilidades na barragem impactaram negativamente a visão do mercado sobre a companhia.

No Brasil, a cautela dos investidores deve ser redobrada por conta do Carnaval. A B3 não terá negociações na segunda-feira, nem na terça, mas os demais mercados financeiros do mundo inteiro continuarão operando, de modo que a reabertura da Bolsa aqui na quarta-feira às 13h (horário de Brasília) deve contar com um movimento de compensar a defasagem.

Em um cenário tão incerto quanto o atual muitos operadores irão zerar posições hoje para não serem pegos de surpresa com o noticiário internacional no feriado sem poder mexer nas suas carteiras durante quatro dias e meio.

Às 12h20 (horário de Brasília), o Ibovespa tinha baixa de 1,14%, aos 113.210 pontos, enquanto o dólar futuro com vencimento em março recua 0,39%, a R$ 4,378.

O dólar comercial, por sua vez, vira para queda de 0,33%, a R$ 4,3765 na compra e R$ 4,3771 na venda. A virada se deu após os Índices Gerentes de Compras (PMIs, na sigla em inglês) dos Estados Unidos mostrarem enfraquecimento da economia. O PMI composto de fevereiro caiu de 53,3 pontos em janeiro para 49,6 pontos em fevereiro; o PMI de serviços recuou de 53,4 pontos para 49,4 pontos e o PMI industrial foi de 51,9 para 50,8 pontos.

Entre os indicadores brasileiros, o Banco Central divulgou hoje os dados da conta corrente de janeiro, que mostrou um déficit de US$ 11,9 bilhões. A expectativa do mercado era de um déficit de US$ 11,0 bilhões, segundo mediana da Bloomberg. O investimento direto estrangeiro, por sua vez, chegou a US$ 5,6 bilhões no mês passado, a estimativa dos economistas era de US$ 5,15 bilhões.

No mercado de juros futuros, o contrato de DI com vencimento em janeiro de 2022 vira para uma baixa de três pontos-base, a 4,65%, enquanto o de vencimento em janeiro de 2023 perde dois pontos a 5,23%, seguido pela queda de três pontos-base do vencimento em janeiro de 2025, a 6,00%.

Voltando ao exterior, os dados de atividade industrial no Japão e de exportações na Coreia do Sul ampliam preocupação com desaceleração econômica. Por outro lado, os PMIs da zona do euro destoam e superam expectativas.

Fonte: infomoney.com.br