Bruno Covas passa bem após sangramento no fígado e vai despachar da UTI

Foto: Redes Sociais/Bruno Covas

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), vai despachar com secretários do governo na tarde desta quinta-feira (12) da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Sírio-Libanês, na região Central de São Paulo. Nesta quarta (11), ele teve um sangramento no fígado durante procedimento de demarcação tumoral.

Covas recebe, a partir das 14h30, três secretários e o chefe de gabinete. Na quarta, Covas teve um sangramento no fígado durante um procedimento para o tratamento do câncer. Segundo boletim médico, o sangramento foi controlado e o objetivo da internação na UTI é para monitoramento.

“Após procedimento para demarcação da lesão tumoral, o prefeito Bruno Covas apresentou sangramento intra-hepático, controlado por arteriografia e embolização do foco de sangramento (procedimento minimamente invasivo). O paciente foi encaminhado para a Unidade de Tratamento Intensivo com o objetivo de monitorização constante”, diz o boletim médico desta quarta-feira.

De acordo com a equipe médica, Covas acordou bem nesta manhã e está disposto. Ele, que tinha sido entubado durante cauterização de artéria para estancar o sangramento do fígado, já respira sem o auxílio de aparelhos.

O prefeito foi internado no último domingo (8) para a realização de alguns exames e dar continuidade ao tratamento de câncer com quimioterapia. Na terça-feira (10), ele começou a quarta sessão de quimioterapia para tratar o câncer na cárdia – transição entre o esôfago e o estômago – com metástase no fígado. O tratamento, iniciado há seis semanas, deve durar quatro meses com o total de oito ciclos de quimioterapia.

De acordo com o médico David Uip, o sangramento foi causado durante a demarcação do tumor, quando uma agulha é colocada no carcinoma para identificar o tamanho dele.

“Foi um sangramento mecânico. O grampo, que é uma espécie de clipe metálico, em algum momento furou uma artéria intra-hepática. O sangramento foi detectado na tomografia. É uma coisa difícil, mas que pode acontecer quando se faz esse procedimento”, disse Uip.

O procedimento para estancar o sangue durou cerca de duas horas e acabou às 18h30 desta quarta-feira, ainda segundo o médico. Até este horário, o prefeito permanecia entubado, o que é normal em procedimentos como esse, de acordo com o médico. “O prefeito nesse momento está bem”, acrescentou Uip.

Tumor regride

Na segunda-feira (9), a equipe do infectologista David Uip informou que o tumor de Bruno Covas regrediu. A lesão no fígado também está tendo uma resposta expressiva, de acordo com a equipe médica. O tratamento quimioterápico ainda deve durar quatro meses.

“Os exames de imagem mostraram uma redução expressiva das lesões dele. O tumor na transição esofogástrica a endoscopia mostrou que está cicatrizando. Os linfonodos estão diminuindo de tamanho e a única lesão que ele tem no fígado está tendo uma resposta expressiva”, disse o oncologista Túlio Pfiffer na ocasião.

O infectologista David Uip afirmou que o quadro clínico é “muito bom” e que Covas tem frequentado a academia. “Garanto que ele não emagreceu. Pelo contrário, ele recuperou peso”, respondeu, quando questionado se Covas está mais magro. “Ele ganhou peso. O que mudou a percepção foi ter feito a barba, o que o fez parecer mais magro.”

Entenda o câncer que atinge o prefeito Bruno Covas

Entenda o câncer que atinge o prefeito Bruno Covas

Uip disse ainda que o prefeito não havia apresentado efeitos adversos das drogas utilizadas na quimioterapia, “o que favorece a ideia de nós continuarmos no mesmo ritmo, uma terapia forte e agressiva contra o tumor. O prefeito está ótimo, de muito bom humor e continuará no seu dia a dia normal entendendo que ele consiga ultrapassar um novo ciclo de quimioterapia sem efeitos adversos”, disse o infectologista.

Descoberta do Câncer

O prefeito foi internado pela primeira vez no dia 23 de outubro, quando chegou ao hospital com erisipela (infecção na perna), que evoluiu para trombose venosa profunda (coágulos) na perna direita. Os coágulos subiram para o pulmão, causando o que é chamado de embolia.

Durante os exames pra localizar os coágulos, médicos detectaram um câncer na cárdia, região entre o esôfago e o estômago, com metástase no fígado.

No dia 4 de novembro, exames detectaram outro coágulo: no coração. Os últimos exames mostraram redução dos coágulos.

Covas voltou ao hospital 11 dias após ter alta médica para a realização da terceira sessão de quimioterapia, que durou 30 horas. O prefeito está com restrições a aglomerações e teve sua agenda de trabalho modificada.

Fonte: g1.globo.com